kar(ma)toon

Bom Karma... ou não!

terça-feira, agosto 25, 2009



Pode não ser evidente, mas há algo na Zambujeira do Mar da Casablanca dos romances. Porque tem uma variedade de tribos absolutamente irreal para uma vila tão pequena. Os hippies, punks, vadios, surfistas, middle-age yuppies da linha, bêbados, loucos, saltimbancos e artistas. Misturados com os habitantes locais de uma forma totalmente pacífica e natural. Uma Casablanca dos pequeninos.
A Zambujeira tem também a sua sombra de mistério, como se algo de estranho estivesse sempre para acontecer. Como se a cada instante algum segredo estivesse a tomar forma num recanto, numa sombra ou numa viela.
As minhas férias na Zambujeira este ano foram uma viagem de fuga para Casablanca. Fuga de algo que não sei agora, nesta linha, definir. Demasiados cigarros, demasiado cafés e um livro de 892 páginas - que nunca se deixava esquecer - e tempo livre para pensar. Pensar e concluir que a Zambujeira já não tem nada para me oferecer. É sempre assim, acho. Depois da sensação de novidade das coisas novas há sempre um momento de fim do conforto de uma determinada rotina. É quando temos de nos decidir pelo desprendimento, pelo abandono de algo. Um lugar, uma férias, um grupo de pessoas. Se calhar devia ter feito esta viagem sozinho. Não pelos meus irmãos, que apesar da turbulência dos seus 20 anos continuam a ser óptimos companheiros de viagem. Devia tê-la feito sozinho porque acabou por ser uma viagem de despedida.
A Zambujeira devia ter morrido para mim há três anos. Era natural que assim fosse. No entanto tive o prazer de sentir o prazer do renascimento de um local tão importante para mim, de sentir, por dois anos consecutivos, esse prazer de novas rotinas, com outras pessoas, diferentes. Esse renovado encanto durou dois anos, dois verões, dois meses de Agosto.
Posso estar enganado mas estas terão sido as últimas duas semanas de férias na Zambujeira do Mar. O que agradará e aliviará muita gente, certamente. Gente que vai continuar a acreditar que a minha presença ali não era mais do que um acto de provocação. Um acto de provocação agora derrotado. Gente que criticou, contra tudo o que é lógico e são, o meu regresso à pequena vila. Gente que verdadeiramente acreditou ser impensável voltar a ver-me na praia das Alteirinhos. Porque havia mais sítios onde passar férias, disseram. Fui motivo de conversas nocturnas em torno de uma mesa, causador de pancadinhas benevolentes em costas auto-vitimizadas. Fui um pretexto para compaixão pedinchada, objecto estranho olhado com o soslaio hipócrita dos pouco corajosos. Dos que preferem acusar erros que não existem na tentativa de esconder as suas próprias falhas. Táctica eficaz mas pouco consistente face à boa memória de quem sabe mais do que é esperado.
Não escondo, nunca escondi, que a Zambujeira, de há três anos para cá, tinha um sabor amargo aqui e ali. Ainda assim, e fazendo uso de uma lição preciosa de alguém precioso, enfrentei esse azedo que às vezes acompanha as memórias boas. Fui teimoso. Afinal a Zambujeira também era minha e eu queria - e tinha o direito - de a partilhar com as pessoas que amo.
Fiquem descansados, portanto, aqueles que ainda não conseguem disfarçar um certo "o que é que eu faço, o que é que eu digo" quando me encontram numa esplanada da pequena vila. Para o ano terão o vosso lixo bem arrumadinho debaixo do tapete parolo de Arraiolos sem ninguém para o remexer e o vosso sossego com cheiro a podre assegurado. Já podem agir como se nada fosse. Podem fazer de conta que nada nunca se passou e que não existe uma pedra no vosso sapato.
Escrito isto, percebo agora qual era a minha fuga indo para a Zambujeira. Era uma fuga em frente, à procura de uma solução. Encontrei-a e enterrei um problema na minha vida.

Escrevo isto com um gato que me ama deitado fielmente ao meu lado. Dorme há horas sem sair do meu lado e este eu tenho a certeza que nunca me abandonará. Este nunca fará de conta. Este nunca fará juízos de valor precipitados, sem certezas.

2 Comments:

  • At 00:13, Blogger bazulinha said…

    É assim que se fala, amor da minha vida!!!!!!! :) Só nos faltou lá o gato, para a nossa descoberta da Zambujeira ter sido totalmente em família! ;) Tchi amamos! Babá, Nunes e DrMiguel forever!

     
  • At 19:14, Anonymous Anónimo said…

    Sem dúvida o texto está mt bem escrito,mas a bela expressão" manda essa gente toda para o caralhinho"sabe ainda melhor...á protuguesa :P á tua!

     

Enviar um comentário

<< Home