kar(ma)toon

Bom Karma... ou não!

quinta-feira, fevereiro 10, 2011

CATCH UP


Entre o fim das aulas, dois exames e a montagem de um documentário, muito tem ficado para trás neste blog. Vamos por isso a uma pequena resenha...

Esta nova realidade de alguns, poucos, países do norte de África, apanhou toda a gente de surpresa. Por muito que os opinion makers argumentem ser este um acontecimento há muito previsto, a verdade é que ninguém estava realmente à espera que viesse a acontecer. É surpreendente, no século XXI, a velha fórmula de «o povo é quem mais ordena» ter ainda tanto peso. A força popular de tunisinos e egípcios, cada uma à sua maneira, surtiu resultados literalmente revolucionários, e que acarretam efeitos secundários difíceis de prever mas em qualquer dos casos esmagadores. Especialmente, tendo em conta a história daquela região. Por outro lado, há uma sombra que se levanta e que não é de menosprezar: a escalada de fundamentalistas islâmicos na região, em particular no Egipto, pode chegar a ponto de se tornar poder político e governativo. Não querendo embarcar na histeria típica americana, a verdade é que é coisa para preocupar.

Entretanto, o mundo do cinema perdeu dois secundários de luxo, John Barry e Pete Postlethwaite. O primeiro, compositor responsável por uma série de partituras para outros tantos filmes de James Bond - não do tema principal do famoso espião - foi igualmente o autor de duas das bandas sonoras de eleição deste blog, 'Out of Africa' e 'Dances With Wolves'. O segundo, um dos melhores actores secundários que o grande ecrã já deu a ver e que chegou a ser nomeado para o Oscar dessa categoria em 'In The Name of The Father'. John Barry tinha o condão de compor música que me dava um n
o na garganta; Pete Postlethwaite era uma constante lição de como representar. Este ano o cinema ficou mais pobre, indiscutivelmente.




Sábado parto para Marraqueche para fazer uma coisa há muito prometida: uma semana sozinho num local longínquo - neste caso, mais do que geograficamente. O resultado, como sempre, será aqui publicado, mas para já, o que importa, é culminar um período de dois anos e três meses de alguns sacrifícios (e algumas vitórias) com umas merecidas férias de tudo.

Precisamente, o curso de dois anos e três meses acabou. Está feito, e só falta decidir o estágio ou a tese de licenciatura para poder afirmar que sou, finalmente, jornalista. Como o meu avô, Manuel Sines Fernandes.

1 Comments:

  • At 17:06, Blogger bazulinha said…

    as coisas muito boas custam muito meu amorzinho!!!!!!!!!!!! por exemplo, o meu rabinho sempre perfeito custa muitas horas de ginasio ;)

     

Enviar um comentário

<< Home